LAGUNA.

NÃO VERÁS LUGAR COMO ESTE.
AMA DE VERDADE
A TERRA EM QUE NASCESTE

quinta-feira, 5 de maio de 2011

DIA DAS MÃES


Mães e Filhos fotos e montagem mjr

Como muitas outras pessoas  felizardas,  e eu não as culpo por isso, não posso ter minha mãe neste domingo.
Mas olhando para meus filhos e netos reunidos em torno da mesa do almoço, posso imaginar em cada um deles o rastro de vida que ela deixou através de sua descendência.
Estão presentes aqui minha esposa e  filhas , que também  geraram outras vidas.
Se eu avaliasse somente por este ponto de vista,  de disseminar a vida humana por todos os continentes da terra,  seria  a justificativa suficiente para abençoar suas existências.

Mas, isso não satisfaz a minha ansiedade de uma resposta que se ajuste ao que eu preciso. Necessito de uma revelação que está mais para os limites do mágico e do transcendental, que mexem com minha cabeça e me inquietam por saber mais.
Por que elas têm essas formas que parecem ter sido modeladas para abraçar, aconchegar, aquecer, consolar , acalentar, fazer passar a dor e trazer o sono, dissipar o medo e devolver a paz?
Preciso saber por que os seus rostos têm esta mistura encantadora de sorrisos e mistérios, luzes e sombras que falam em cada sorriso, nas expressões dos seus olhares e nos  trejeitos de suas bocas, na contração de cada músculo da face, em suas rugas ou em sua placidez.
E o calor que elas irradiam, o cheiro que elas emanam e não se confunde com nenhum outro em todo o universo?
Porque conseguem falar caladas apenas com a expressão das mãos,  mãos capazes de fritar um ovo sem furar a gema, sacar magistralmente um chinelo ou resolver todas as costuras e arremates, além de transformar o mundo em puro paraíso apenas em acariciar  nossos cabelos?
A única coisa que me ocorre para tentar entender este mistério, é que Deus ao criar a mulher deixou algo mais que Sua imagem e semelhança.
Deixou também um pedaço de Si mesmo, que aflora e se manifesta  quando as mulheres se tornam mães.

Com o mais carinhoso cumprimento a todas as mães.
 Márcio José Rodrigues