LAGUNA.

NÃO VERÁS LUGAR COMO ESTE.
AMA DE VERDADE
A TERRA EM QUE NASCESTE

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017



UMA ANALISE MUITO LÚCIDA

                                        por Luís Fernando Fabris (*)

                  William Deming, o pai do desenvolvimento japonês dizia que não há nenhum resultado alcançado sem que exista um processo que leve a ele.
Laguna fez uma opção muito clara por ter um turismo de baixo nível, predatório e que se caracteriza por uma intensa permissividade. Em Laguna, os motociclistas podem dirigir bêbados ou drogados; garotos podem usar a praia como se fossem banheiros ou quartos de motel; nossas ruas e praias podem ser usadas como latas de lixo; as brigas entre bandos são perfeitamente toleradas e, é claro, pode-se colocar o som dos carros em um volume que impossibilite até ouvir a voz da consciência!
O interessante é que, ao se perguntar sobre esta questão a comerciantes da cidade, há uma quase unânime resposta de que esse é um preço pequeno para o lucro deixado no comércio pelos "eventos", como se o fato de gastar na cidade habilitasse um motorista ou motociclista a dirigir bêbado e colocando em risco a vida de terceiros.
Como mencionado acima, isso foi uma opção consciente e, portanto, consciente devemos estar das consequências dessa decisão. Sugiro que olhem o que se passa em cidades como Praia Grande e Guarujá, em São Paulo. Essas cidades foram tomadas, inicialmente, pelo turismo predatório. Hoje são territórios de gangues de traficantes de drogas (um fenômeno que começa a ocorrer em nossa cidade).
Se pretendemos ter um turismo saudável, urge desmontar os esquemas que permitem o turismo predatório. Por exemplo: não se pode colocar uma praça de eventos ao lado do santuário ecológico dos botos, achando que a pressão sonora não os prejudica (com base em um estudo jamais divulgado). Se pretendemos ter um turismo de alto nível, não podemos ter lixões a céu aberto. Se quisermos, podemos nos espelhar em Gramado, uma cidade praticamente sem atrativos naturais e que se tornou referência de turismo porque seus habitantes, principalmente os comerciantes, resolveram investir para se ter uma cidade turística de alto nível. É claro que isso leva tempo; é claro que exige sacrifício, mas a mudança sempre envolve risco e incerteza.
Podemos ficar na certeza que nos imobiliza, sendo a "cidade do carnaval no Sul do País, a cidade do Motolaguna, a cidade do Universipraias e continuaremos colhendo os mesmos problemas.
Como disse Einstein a um aluno que repetia sem parar a mesma experiência: "o que te autoriza a pensar que, fazendo exatamente as mesmas coisas sempre, vá um dia ter um resultado diferente?"


(*) Luis Fernando Fabris é empresário da indústria farmacêutica em São Paulo. É Farmacologista, Farmacêutico-bioquímico. Comprou recentemente propriedade e m Laguna e confessa ser um lagunista fanático.


sábado, 14 de janeiro de 2017

OS INCOMODADOS QUE SE MUDEM?


Publiquei um elogio à Polícia Militar de Garopaba por haver atendido às reclamações contra um som automotivo que perturbava o sono dos moradores. O Contraventor foi enquadrado na forma da lei, multado e o carro guinchado.Imediatamente surgiram uma imensidão de comentários, alguns deles criticando aquela polícia. Outros, agressivos, contra os moradores que deveriam se mudar se quisessem sossego.


Acontece que estes “moradores” são exatamente os prestadores de serviços, os lojistas, comerciários, empregados, médicos, padeiros, enfermeiros, motoristas, cozinheiros, pedreiros, eletricistas, cabeleireiras, policiais, funcionários públicos, garis, coletores de lixo, supermercadistas, produtores, professores, estudantes, enfim aqueles que precisam dormir e acordar cedo para trabalhar e que realmente fazem uma cidade viver.
SEM ESTES MORADORES A CIDADE MORRE!

Em uma palestra recente no auditório da UDESC aqui em , o prefeito eleito por quatro mandatos em Gramado, Pedro Bertolucci,



afirmou que o sucesso daquela cidade está na ordem e no respeito à lei. 

Também afirmou que uma cidade é feita para seu povo e o povo é que deve aprovar a cidade.Uma cidade agradável ao próprio morador, certamente fará o turista gostar. Que o turista seja bem-vindo, bem recepcionado, mas saiba que está apenas de visita e se comporte dentro das normas de urbanidade.

LAGUNA PRECISA APRENDER ESTA REGRA.

Ha... em tempo, som automotivo exagerado, visitantes de mau gosto e mal educados espantam o verdadeiro turista.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

PREFEITO MAURO CANDEMIL 
anuncia abertura de licitação para o asfaltamento da Estrada do 
Farol de Santa Marta



Lançado edital de licitação para pavimentação asfáltica do acesso ao Farol de Santa Marta em Laguna.
O Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) lançou na quarta-feira (11/01), o edital de licitação da obra de pavimentação asfáltica da rodovia SC-100, trecho que dá acesso ao Farol de Santa Marta em Laguna. O serviços compreendem a execução de terraplanagem, pavimentação, drenagem, obras de arte corrente, sinalização, obras complementares, obras de arte especiais, serviços diversos e meio ambiente, numa extensão de 2,442 km. A apresentação e abertura dos envelopes de documentos de habilitação e propostas será no dia 15 de fevereiro.
 O edital está no Diário Oficial de Santa Catarina (número 001/17).
Curtir
Comentar

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

BOTO PESCADOR MORRE DEVAGAR COM REDES EM SEU CORPO

Amigos de Laguna.
Um boto pescador, o Lagartixa está sendo atormentado por malhas de rede enroladas em seu corpo.
Os fios já lhe estão penetrando na carne que começa a ulcerar.
No entanto ele continua trabalhando com os pescadores e tangendo o peixe para as tarrafas, sem contudo receber nenhuma ajuda.
Este é um momento precioso de comover esta apática Laguna.
VAMOS NOS UNIR EM NOME DO NOSSA COMPAIXÃO.
Este boto precisa ser capturado, conduzido a um baixio, onde possa ser livrado desta tortura que vai acabar matando-o.
Precisamos unir pescadores, canoeiros, esportistas de Iate Clube, Bombeiros com lanchas e jetskys, Polícia Ambiental, Fundação Boto Flipper, Iphan, Colônia de Pescadores Z14, Cento Acadêmico da Faculdade de Pesca UDESC, Poder Municipal.
Já existem bastante pessoas motivadas e emocionadas. Elas só dispõem de muito coração, mas não têm meios de fazer o resgate.

VAMOS AGIR LAGUNA – PÕE TUA COMPAIXÃO A SERVIÇO




OBSERVAÇÃO
É comum animais perderem patas ou morrerem por cordas arrebentadas estrangulando algum membro, como o exemplo da foto.
No caso do boto Lagartixa, a rede de nylon que o estrangula pode durar até 500 anos para se decompor, o que é um caso para futura arqueologia do século XXVI, quando cientistas do futuro descobrirem seu esqueleto enrolado em "antiga rede de pesca do século XXI."
Segundo fui informado o boto estrangulado está sendo "monitorado e se alimenta", segundo a Policia Ambiental.
O que equivale dizer: - DEIXA COMO ESTÁ! ELE VAI MORRER MAS ESTÁ COMENDO.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Quer fazer turismo de graça?
Use o quintal da casa dos parentes.
(Utilizando imagens da postagem de Ana Bez no Facebook.)

Laguna terá na nova gestão Mauro Candemil, com certeza, um outro turismo voltado à recepção cordial e hospitaleira, organização, ordem e lazer, que farão Laguna entrar em outra era.
A interação entre a cidade e o hóspede acontecerá de forma racional e inteligente, garantindo a ambos, os dividendos da troca cultural, com garantias de agradável estada, segurança, conforto e bem-estar.
Estas cenas mostram a invasão em desordem de espaços preservados, que não combinam com a proposta para uma cidade turística.

As cenas são dos molhes da barra no pequeno bosque da "Tesoura", ponto mais importante da pesca com os botos.









Note-se a destruição do gramado, além de resíduos de lixo deixados no local.
A ação da Guarda Municipal se fez presente com eficiência e ordem.

Parabéns.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

ESTRELINHA NÃO BRILHA MAIS

                                                                                  

O conhecido boto pescador Estrelinha foi encontrado morto por afogamento, preso em redes clandestinas da pesca do bagre na foz do rio Tubarão.
Mesmo sendo um animal protegido por lei e considerado patrimônio nacional por sua interação com o pescador artesanal de tarrafas, as autoridades não o protegem.
Resta a soberania do contraventor que reina absoluto nesta pobre Laguna sem leis nem autoridades que as apliquem.

Estrelinha era um boto da espécie "Nariz de Garrafa" (Tursiops truncatus), que na cidade de Laguna, sul do Brasil, numa estranha e surpreendente amizade ao pescador de tainhas, faz o cerco do peixe e o conduz ao alcance  dessas redes de arremesso, as tarrafas, das quais ele não tem medo e não lhe apresentam ofensa ou perigo.

INFELIZMENTE, ESTRELINHA ERA UM DOS ÚLTIMOS, DESTA ESPÉCIE QUE EM BREVE O MUNDO NÃO VERÁ MAIS. AS AUTORIDADES FEDERAIS PRECISAM DECRETAR ESTADO DE CALAMIDADE BOTO PESCADOR.

JÁ ESTÁ FICANDO TARDE