LAGUNA.

NÃO VERÁS LUGAR COMO ESTE.
AMA DE VERDADE
A TERRA EM QUE NASCESTE

sábado, 31 de maio de 2014

DESCIDA DE SANTO ANTONIO



A noite desta sexta-feira foi marcada por uma pitoresca cerimônia na igreja matriz de Laguna - Brasil.
 É a tradicional "descida" de Santo Antônio de seu nicho no altar-mor para a nave do templo, onde permanecerá até o fim dos 13 dias da sua multi centenária festa.
Não é uma tarefa  fácil, não; a imagem  de madeira maciça é pesada mesmo e o nicho é bem alto. As manobras requerem extremo cuidado e força de vários homens, através de uma rampa de pranchas de madeira grossa. 

Uma vez descido, o padroeiro é separado do menino Jesus, que vai receber uma roupinha nova, sempre muito elaborada, de renda, crochê e outras artes.com a qual permanecerá até a próxima festividade.
A disputa é grande para tê-lo no colo por alguns instantes.
Para os presentes e principalmente para os que participam diretamente da doce tarefa é muito emociante.
Coisas da Laguna.





LENIRA AMBONI NICOLAZZI RECOLHENDO O MENINO JESUS DO COLO DO SANTO

terça-feira, 27 de maio de 2014

LAGUNA CULTURA - LANÇAMENTO DE DE NOVO LIVRO




 José Genário Machado é escritor e poeta, lagunense, coordenador do grupo REPÚBLICA DOS AUTORES. e membro do grupo CARROSSEL DAS LETRAS
É o organizador desta coletânea autoral "TÃO LONGE TÃO PERTO IV"




Capa por Maria de Fátima Barreto Michels



Maria de Fátima Barreto Michels é professora, escritora, poeta e fotógrafa. lagunense,membro do grupo 
CARROSSEL DAS LETRAS


ENTÃO AÍ ESTÁ O CONVITE ABERTO A TODOS

         5ª FEIRA - 20,00 h  NO DECK 901 - MAR GROSSO


domingo, 25 de maio de 2014

A MORTE ESTUPIDA DE ZARIGUINHO

Marcelo Faria não resiste a emoção

texto por márcio josé rodrigues
fotos por ronaldo ambni



























Este  sábado frio e ensolarado deixou toda uma cidade consternada, estarrecida, triste e decepcionada nesta bela Laguna.
A morte criminosa e irreparável do boto ZARIGUINHO, é mais uma triste prova da estupidez inexplicável que acomete determinados seres humanos, de comportamento antinatural e, infelizmente, fora de controle do poder das autoridades.
A fotografia de Ronaldo Amboni, que mostra a cena pungente da dor sentida por Marcelo Faria, com a mão postada sobreo corpo do amigo,  fala por si só.
Mas, aos que não conhecem, explico:

Pescador em frente ao boto




















Os delfins ou golfinhos, aqui chamados botos, os da Lagoa Santo Antônio, são animais sagrados, especiais. Relíquias, preciosidades. Tanto assim que são amados tanto quanto gente, mas de uma maneira especial.
Eles são enormes, lindos, poderosos e frágeis, inteligentes, porém dóceis e quase “humanos”, se quisermos depreciá-los um pouco. Têm todos, nomes próprios e fazem algo exclusivo e só aqui em Laguna, o que os torna diferentes no mundo todo.
Eles comportam-se como gente, misto de cães de caça, que cercam as tainhas e as trazem aos pés do pescador de tarrafa, fazendo com que essa arte de pesca torne-se eficiente.

Zariguinho era um boto competente e atuava na boca do rio, extremamente amado pelos pescadores que recebiam a cooperação dele.
Sem o boto, Laguna deixa de ser mágica, perde a inocência e mutila sua própria alma.
Os botos são protegidos por lei. (521/97)

Joga a tarrafa agora, Mané



















Mas, inexplicavelmente, existem pescadores inconscientes do que eles representam, que insistem em atravessar redes na foz do rio Tubarão e até no canal da barra do rio e isso é fatal para o boto que se enrede e morra por afogamento, uma vez que são mamíferos e necessitam subir à  tona para respirar.
O armadilha das redes proibidas que  os vem matando em série a cada ano que passa, segue impune  e debocha das autoridades.
A ineficiência dos órgãos legais que poderiam conter esse absurdo, ainda vai extingui-los, numa inconsciência funcional que não conseguimos entender. 
Bastaria, que a polícia ambiental, com suas poderosas e equipadas lanchas fizesse periodicamente o arrasto de um simples anzol ou garateia ao longo de certo trecho do rio, para que caçasse todas as redes.

Ontem mesmo, uma autoridade municipal publicou nas redes sociais as fotografias de uma dessas lanchas e um agradecimento pelo transporte de Laguna a Tubarão para um encontro de tradicionalistas gaúchos naquela cidade,
Nada contra, mas só para provar que as lanchas têm capacidade para executar o serviço.
As vozes que clamam dizem que falta VONTADE!!!


terça-feira, 20 de maio de 2014

18 DE MAIO - ANIVERSÁRIO DO FILHOTE MARCO ANTÔNIO

É maio, amai-o!
Domingo  em Santo Antônio de Lisboa, o dia amanheceu luminoso, calmo e azul.
De manhã fui participar do culto na graciosa igrejinha local.
Anotei na folha dos pedidos especiais dedicando aquela celebração da Eucaristia a dois aniversariantes.
A João Paulo II, a quem acho quem devo uma graça e ao meu filho Marco Antônio, ambos aniversariantes daquele 18 de maio. 
Ao primeiro, agradeci pelos favores e ao segundo pedi por novas graças.
O pequeno templo estava lotado, havia batizados de sete crianças e o clima era de alegria, paz e devoção. 
Os Parabéns.

Voltei para casa com o espírito apaziguado, tranquilo.
Á hora do almoço na casa do aniversariante, a família reunida em torno da mesa em clima de festa, alegria, amizade, amor, abraços e beijos.
Mãe Gracinha e Tia Mércia pilotaram o fogão e dedicaram ao aniversariante o tradicional "cozido de carne", uma delícia da nossa tradição açoriana, de se comer emocionado. 
Espero que gostem das imagens.
O panelão do cozido

Gracinha e Mércia, as cucas.

Tia Nilda a jóia preciosa da família com Marco Antônio.
Nicolas, o mais jovem da turma, com Fernando e Maria Antônia.

O filhote com a "mãezinha. Mais atrás o mano Marcinho e  linda Janaina.



O balcão das delícias

O pirão açoriano de caldo cozido e farinha de mandioca. Ele traz todos os sabores reunidos das carnes , verduras e temperos. É o centro de toda a receita. Precisa arrancar suspiros e ais dos comensais.

Nota:
neste cozido entraram alcatra, peito bovino, paleta, lombo de porco, costela de porco (frescos); charque, frescal, bacon magro, linguiça toscana, paio, linguiça calabresa, ovo cozido, couve, couve-flor, brócolis, moranga, abóbora, abóbora verde, chuchu, batata doce, aipim, repolho, cenoura, cebola, salsinha, cebolinha, pimenta, alho, pimenta do reino, limão e vinho branco seco.

texto e fotos por marcio josé rodrigues