LAGUNA.

NÃO VERÁS LUGAR COMO ESTE.
AMA DE VERDADE
A TERRA EM QUE NASCESTE

terça-feira, 15 de novembro de 2011

15 DE NOVEMBRO


Sede construídaem 1945 nos dias atuais


Anos 60 - aspecto do cooquetel oferecido às debutantes. Márcio José Rodrigues, Adib A. Massih e três jiovens da sociedade blondinista . (foto Bacha)


texto, postagem e fotos em cores por Márcio José Rodrigues 

Hoje, 15 de novembro, data da proclamação da República no Brasil, confesso saudades de Dom Pedro II e a Laguna dos últimos anos do Império.

Nesse dia, em 1887, dois anos antes do fim do Império Brasileiro, jovens atletas lagunenses, apaixonados pelos feitos extraordinários do “ Incrível Blondin” fundaram um clube de ginástica.
Francês de nascimento, Jean François Gravelet, provavelmente o maior equilibrista e acrobata de todos os tempos, foi autor de tais façanhas nessas artes, que se tornou personagem de fama mundial, sob o nome artístico de Blondin.
Sobre uma corda bamba, atravessou o desfiladeiro das Cataratas do Niagara, um vão de 350 metros de extensão, a uma altura de 50 metros. E e o fez várias vezes (de olhos vendados, com um carrinho de mão, com um homem às costas e uma vez, equilibrando-se sentado em uma cadeira, que se apoiava na corda, com apenas um pé) mesmo com ventos que interferiam na façanha, balançando-a perigosamente.


O clube de ginástica logo passou a promover saraus e transformou-se no clube social mais importante de Santa Cartarina, congregando o mais representativo da sociedade abastada e culta. 
Em meados do século XX (1945) construiu a sede que até hoje permanece, obra do Presidente Paulo Carneiro, à frente de uma diretoria dinâmica e empreendedora.

O CLUBE BLONDIN foi durante um século inteiro o lugar de encontro da sociedade Lagunense, cenário dos mais brilhantes bailes, apresentações de orquestras internacionais. Memoráveis os bailes de carnaval, onde reinavam os blocos de salão com sua luxuosas fantasias, os “Bola Preta e Bola Branca”, dos grandes saraus, dos encontros das famílias de destaque, dos esplendorosos bailes de debutantes e do tradicional “Baile do Champagne”, onde pontificava o “Conjunto Melódico Ravena”.
Foi um tempo, em que, mesmo a sociedade mais requintada das cidades vizinhas, necessitava de apresentações especiais de um sócio do clube, para conseguir ingresso em seus salões.
Hoje, ao completar 124 anos, passei para visitá-lo e o encontrei com correntes na porta principal.
O BLONDIN é um ainda lindo casarão na praça central, com uma certa dignidade em seu porte arquitetônico em destaque, mesmo  demonstrando velhice e sinais de ruína.
Mas, aquela sociedade que o fazia importante ausentou-se ou morreu e hoje resta a franca decadência e nenhum sinal de recuperação.
Como presidente que fui, por vários mandatos nos anos sessenta, sinto uma imensa saudade do que era e um desejo de reerguê-lo para entregá-lo ao povo de Laguna como patrimônio da cidade.



Sede do Clube Blondin até 1945

Novembro 2011 - Ingressos à venda a quem puder pagar